Error. Page cannot be displayed. Please contact your service provider for more details. (21)

Já encheu a sacolinha!

Eu, boboca sempre pré-ocupado com os animais e a natureza, sofro da síndrome do saco cheio com essa história das sacolinhas de supermercados.
Como sou também dublê de dona de casa atualizada e atenta aos imperativos ecológicos destes tristes tempos nestes tristes trópicos, ouço e converso muito com a mulherada durante as compras. Dicas de culinária, banalidades em geral, e até ocasional papo cabeça.
Infelizmente, tive de deixar de lado o assunto das sacolinhas.
A maioria das consumidoras lamenta e detesta o fim desse conforto que é enfiar as compras em mil saquinhos plásticos e depois jogar fora para poluírem os bueiros, os esgotos, os rios e os mares. A maioria é gente boa de milhões de amélias que cuidam bem do lar, mas não está nem aí para o lar de todos, a nossa Terra. Zelam pela família, mas não incluem nela os peixes e outros animais marinhos que irão morrer, engasgados e sufocados, pelas malditas embalagens descartadas.
Como Freud, desisti de entender as mulheres, ao menos estas alienadas que vejo e observo fuçando as prateleiras.
Só não desisti é de protestar contra os governantes, autoridades e funcionários públicos (aqueles burrocratas que nos atendem para nos ferrar e justificar seus carguinhos e o cartaz que diz que não se pode ofender funcionário público), que superam os cidadãos consumidores em hipocrisia e miopia ambiental.
Até quando acerta, esse bando erra feio.
Primeiro, proibiram as sacolinhas.
Ok, foi gol, na trave. Os supermercados faturaram pacas em sacolas retornáveis e se livraram de uma despesa.
Daí entrou o lobby dos fabricantes e as nefandas camisinhas de comestíveis voltaram.
Não ouvi ninguém reclamando, só elogiando. Por isso calei minha boca grande diante de minhas amigas sofredoras, digo, consumidoras. A quase ninguém ocorre ter pouco mais de trabalho para muito ajudar o planeta.
Apenas uma senhorinha, até hoje, me apoiou: certo seria não comprar latinhas, mas levar as garrafas de cerveja e encher o caneco; ter sua própria sacola ou carrinho no leva e traz; não comprar mais que o necessário, e por aí vai.
Não resolve, mas alivia a barra do planeta.
Agora, as otoridades, aqui em Sampa, botaram o prego no caixão: só usaremos sacolinhas verdes. Traduzindo: sacolinhas feitas de cana de açúcar. Segundo os fdps (filhos da prefeitura), elas suportam até três garrafas pets cheias, anunciaram com orgulho.
Seria de rir, não fosse pra chorar: lucra a lavoura canavieira que, com aval verde, avançará sobre as matas nativas; lucra a indústria das garrafas pets, que esmerdeia as águas; lucra o político demagogo.
Só não lucra o meio ambiente.
Ah, sim, lembrei: não estou atacando os petistas, nem aecistas, nem quejandos.
Pelo que também vejo, ouço e converso nos supermercados das ideologias, o tema do ecossocialismo é tabu.
Das sacolinhas, então, nem se fala. 

Ulisses Tavares, inspirado no filósofo ateniense Zenão, prefere não falar com reis, mas com quem o entende. Zenão repartia seu alimento e sabedoria com os cães de rua. Coisas de poeta.

Leave a Comment

Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.

Error. Page cannot be displayed. Please contact your service provider for more details. (17)