Utilidades Domésticas, Casa e Construção & Indústria

Estávamos escolhendo o casting para o comercial do Personal e não gostamos de nenhum dos atores apresentados. Foi quando vimos que a solução estava ao nosso lado! Em tempo: o super diretor Wellington do Amaral nem é irmão do “grandão” e nem é baixinho. Sem truques digitais, suas pernas estão escondidas num buraco cortado e disfarçado no chão. Hoje seria só apertar um botão para o truque acontecer.

Quem já não quebrou um copo de vidro? Pois a mais conhecida marca de copos do Brasil lançou um que não quebrava tão fácil e pediu para a Spot anunciar. Ulisses e Paulo Ernesto Nestti criando.

Cliente classe A, produto AAA. Fácil de anunciar e vender. Conta da fase Spot Propaganda. Por influência da Mekal, Ulisses nunca mais construiu uma casa ou escritório sem pia de aço inox.

Cliente de muitos anos da fase Grad. Ene anúncios criados, um mais bonito que o outro, como as cozinhas da Kitchens.

Imitando as notícias dos jornais sensacionalistas, a campanha das bombas Rymer, criada na Ad/Ag nos tempos dos anos de chumbo, rendeu muitas explicações do Piratininga aos esbirros do Dops, rs. Naquela época, bomba para tirar água de poço era um grande objeto de desejo das classes c e d. Hoje seria boa idéia doméstica para as enchentes de São Paulo.

Criada na JWT-RJ, o Protector (de resto, todos inseticidas) virou gênero de primeira necessidade nestes tempos de dengue.

As opções para revestir o chão da casa eram bem restritas, em geral o brilhoso synteko ou os malditos tacos que criavam pulgas ou se soltavam como peças de dominó. Carpete era vanguarda, dava status. Fomos por esse caminho, na Spot Propaganda. Colou.

A gigante Bunge Paints se apresenta ao Brasil através de seu produto/marca mais conhecido. Ulisses na fase FCB-Siboney, que ficava no prédio conhecido como disco-voador lá no Centro Empresarial-SP e que, para chegar ou sair (com os congestionamentos da Marginal), fazia todos sonharem com um helicóptero.

Os anúncios para os perfis da Coperfil eram sóbrios e informativos como convém a um produto de engenharia. Já a campanha de rádio, voltada ao consumidor ‘povão’ (serralheiros), tinha spots politicamente incorretos que fizeram grande sucesso: o locutor era um gago que simplesmente assobiava ao tentar falar co-per-fil…fiu, fiu. Hoje seriam vetados?

Pouca gente lembra ou sabe, mas foi o planejador Roberto Grad que introduziu no Bananão o conceito do faça você mesmo, com criação do Ulisses. O famoso “do it yourself”, prática consagrada nos Estados Unidos, demorou para pegar no Brasil porque a classe mérdia tupiniquim sempre achou fazer consertos domésticos coisa de gentinha (herança da colonização portuguesa, claro, que nunca trabalhou na vida).

Criado pelo Estúdio ALacarte, do Ulisses e do Tse John Chien, o “Alceu Penna” brasileiro, lembram dele? Depois de virar hippie na Bahia, Chien foi pra Espanha e faz carreira como designer de museus em Barcelona.

Da dupla Ulisses e Paulo Ernesto Nestti, na Spot.

Da dupla Ulisses e Ramon Chust, na Ad/Ag.